ads top

MEU LAMENTO À MINHA GERAÇÃO

FOTO/ REPRODUÇÃO ANDY OMVIK FONTE UNSPLASH
É notório que os jovens estão se afastando a política, alguns até chegaram mais próximos e adentraram completamente para defender uma causa que sinta a necessidade de fazer o mundo ouvi-la. Mas eu faço parte de uma pequena geração que vem se mobilizando a favor do social, faço parte da pequena parcela de alunos que têm destaque dentro da sala de aula por boas notas, participação ativa e questionamentos viáveis sobre o sistema, que muitos são submetidos e aceitam o modo de ensino - mesmo contestando, esperneando e no final, aceitando porque o professor falou que é dele a última fala, a decisão e a caneta que assina todas as notas. Vai por mim, passei por isso na prática. Faço parte da minoria que dá importância a leitura cotidiana, seja de postagens fúteis no Facebook, matérias voltadas (ou não) para a minha posição social, livros que despertam interesse e criatividade e qualquer coisa que me desperte interesse - ou me faça sair alguns minutos deste mundo caótico.

Lamento a minha geração estar lendo tão pouco sobre o passado, fazer muito pouco no presente e querer tomar decisões, muitas vezes pelo social, que irão abalar completamente o futuro. É um ciclo vicioso que estamos vivendo, fruto de raízes do passado que não estão sendo contestadas por quem poderia fazer o novo. Ainda estamos tendo que lutar contra a desinformação sobre a ditadura militar, a propagação de notícias falsas e mesmo que seja aparentemente complexo, lugar de fala ainda é um sério precipício para algumas pessoas que não se abriram ao novo ou prezam pelo ego próprio.

Vivemos numa sociedade de raízes preconceituosas, frutos do nosso passado que está sendo muito pouco explorado e questionado pela minha geração que vem dizendo querer mudança e fazendo tão pouco por tal. Querer é fazer, e se não fizermos, as mudanças não cairão do céu. Hoje, me sinto completamente honrado em ter criado um blog que se tornou referência para outros blogueiros do mesmo ciclo que pertenço, mas triste, por não conseguir direcionar os meus amigos, da mesma idade que a minha, dentro de um campo de estudo sobre os assuntos que acercam a nossa geração numa tentativa de abocanhar e disseminar ódio dentro das nossas cabeças, vomitar preconceitos e impossibilitar que sonhem sobre seu próprio futuro. Isso me assusta completamente. Vê-los caminhando para o desconhecido me deixa aborrecido por saber que os sonhos de mais um jovem será interrompido por um mundo adulto completamente chato e sem cor. 

Lamento a juventude, lamento a geração, que quer mudança e não procura fazer. Eu vi muitos amigos que apoiaram a minha trajetória, o meu afronte, mas que se omitiram em assuntos que precisavam ser debatidos. Desconstruir-se dói, mas machuca muito mais quando deixa essa construção desabar em cima de outros. Lamento todos aqueles que se calam, deixam o lado opressor tira-lhes o direito de sonhar, prosperar. Lamento o sistema impregnar na mente de todos que não são capazes de ir mais longe. Lamento a falta de leitura, informação, conhecimento, empoderamento, questionamentos. Um grande lamento a minha geração.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.