sábado, agosto 22, 2020

DICKINSON: A ENIGMÁTICA POETISA RETRATADA NA SÉRIE DISPONÍVEL NA APPLE+ TV


Lançada em novembro de 2019, contando com 10 episódios em sua primeira temporada, seremos levados ao enredo do que teria sido a vida de Emily Elizabeth Dickinson uma famosa poetisa americana que ficou conhecida por seus 1800 poemas escritos e não publicados até antes de sua morte. 

Dickinson nasceu em 10 de dezembro de 1830, Amherst, Massachusetts. A mulher publicou em vida 6 poemas, enquanto mantivera todo o restante de sua obra guardada, além disso houveram 300 poemas de amor escritos pela poetisa, o que não ficou muito claro é para quem ela escrevia, já que em toda vida de Emily não houve nenhum relacionamento amoroso, dando assim a entender que a mesma morreu solteira. 

Apesar de viver uma vida solteira e reclusa Emily chegou a conhecer dois homens, Benjamin Franklin Newton e Charles Wasdworth, mesmo que ambos fossem muito próximos de Emily nenhum relacionamento amoroso fora comprovado de fato, e apesar de muitos estudiosos sobre a vida de Emily acreditarem que os 300 poemas de amor poderiam ser para eles, houve uma teoria que poderia explicar muito sobre não revelar seu objeto de afeto, sendo ele uma mulher. A versão teórica, considerada a mais plausível, seria que o objeto de seu afeto se trataria de sua amiga de infância e esposa de seu irmão, Susan Gilbert

Emily passou os últimos 15 anos vivendo reclusa, primeiro em casa e depois apenas em seu quarto, depois passou a ter o hábito de vestir branco. Vindo a morrer em 15 de maio de 1886, vítima de problemas renais. Sua irmã, Vinnie, encontrou seus mais de 40 volumes de poesias, encadernados à mão, e os divulgou. 

A ARTE IMITOU A VIDA?

A série conta com 10 episódios em sua primeira temporada, e é uma junção moderna e de época, uma mistura diferente cheia de humor. Lá saberemos e estaremos vendo de perto o que aconteceu com Emily quando a menina saiu do monastério e voltou para a casa de seus pais. É claro que não contará tudo como realmente é, afinal de contas muitos pontos da vida da poetisa estão até hoje cheio de mistérios.
 

Mas de acordo com o enredo Emily seria uma jovem que descobre apreço pelas palavras, com um senso de humor sem igual bem como auto criticas bem elaboradas, a menina é conhecida como a esquisita da cidade em que vive com sua família. Não aceita os pretendentes dispostos a desposa-la e ainda por cima precisa lidar com sua paixão (correspondente) por sua melhor amiga (órfã) desposada por seu irmão. De outro lado a mulher vê o que ninguém mais vê. 

Veremos de perto como os adolescentes daquela época poderiam ser tão comuns e cheios de hormônios quanto a juventude de hoje, as ideias retrogradas para as mulheres: a exemplo de não poder votar; ser exposta a visão submissa e rejeitada; etc. Os intitulados homens de respeito que sempre eram eleitos para estarem no parlamento representando o povo. Retratos de um século passado. 

Ao final uma margem para a próxima temporada. 

O QUE SE PODE ESPERAR DE DICKINSON?

Podemos esperar uma série gostosa de se ver, com uma nova roupagem que chega a surpreender. Cada episódio conta com 30min de duração e é muito rápida de ser levada até o fim. Em pontos importantes da trama teremos trechos dos 1800 poemas de Emily sendo declamados pela atriz que representou a poetisa, Hailee Steinfeld. Bem colocados para representarem ou nos trazerem uma ideia do momento em que teriam sido escritos de fato. 


Os atores não deixam a desejar em seus papéis, nos trazendo assim a verdadeira essência de cada personagem, isso também fica claro na representação da poetisa. Hailee soube levar a essência da personagem e nos fazer se deparar com a excêntrica Emily que todos conhecemos através de seus poemas. Sofremos com ela por sua condição feminina e com ela estouramos de alegria por suas conquistas, além de darmos boas risadas por seu humor sagaz. 

Com toda certeza vale a pena acompanhar a sagacidade de Emily e torcer para que mais uma temporada venha e possamos ver o desfecho da obra. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário